Uma reflexão sobre a aderência ao treinamento físico

Uma das grandes preocupações com relação ao treinamento físico é a aderência de sujeitos iniciantes, que facilmente desistem do exercício por falta de resultados, desconforto, expectativas exageradas quanto aos efeitos do programa, falta de tempo, estilo de vida, incluindo os hábitos pessoais e familiares, entre outros.


A teoria do modelo duplo propõe que exercícios realizados na intensidade moderada (inferior ao limiar) promovem sensações prazerosas, em virtude da menor perturbação dos sistemas orgânicos e manutenção da homeostase celular. Por outro lado, esforços realizados no domínio intenso (executados acima ou no limiar) intensificam as sinalizações periféricas, o que pode aumentar a participação dos processos cognitivos e modificar a resposta comportamental para sensações desprazerosas (EKKEKAKIS; ACEVEDO, 2006). A teoria hedônica proposta por Solomon e Corbi (1978) reporta que seres humanos buscam o prazer, evitando sensações desagradáveis, como por exemplo, dor e fadiga sendo que, os comportamentos que produzem sensações prazerosas tendem a serem repetidos. Professores pensem um pouco mais nesses fatores antes de começar programas de treinamento de alta intensidade em iniciantes, obesos e pessoas sedentárias. Certamente o treinamento de alta intensidade é muito eficiente e econômico em termos de tempo gasto na atividade, mas será que todos aderem? Ajustar o treinamento físico aos gostos pessoais, sensação de prazer e nível inicial de treinamento parece ser uma chave fundamental para o sucesso inicial do programa. Lembrem-se, pessoas destreinadas respondem a baixas doses de treinamento. Obviamente pensando em atletas essa resposta é bem diferente, de fato, observa-se prazer com treinos intensos e/ou exaustivos. Uma vez que o sujeito aprender a gostar de treinar terá um mar de possibilidades e variações para aplicar.

Referências:
  • EKKEKAKIS, P.; LIND, E. Exercise does not feel the same when you are overweight: the impact of self-selected and imposed intensity on affect and exertion. International
  • Journal of Obesity, v.30, p.652-60, 2006.
  • SOLOMON, R.L.; CORBI, J.D. An opponent-process theory of motivation.
  • American Economic Review, v.68, n.6, p.12-24, 1978.
Este post foi publicado em por .
Categorias: Educação Física.
Tags: , , ,

Sobre Jonato Prestes

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (2002) e mestrado em Educação Física pela Universidade Metodista de Piracicaba (2006). Doutor em Ciências Fisiológicas pela Universidade Federal de São Carlos. Pós-doutorado na Western Kentucky University. Bolsista de Produtividade em Pesquisa nível 2. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Fisiologia e Imunologia do Exercício, atuando principalmente nos seguintes temas: fisiologia do exercício, exercício físico, imunologia do exercício, periodização e variáveis do treinamento de força e composição corporal. Professor do programa de mestrado e doutorado em Educação Física da Universidade Católica de Brasília (UCB). Orientador do programa de mestrado em gerontologia na Linha 1: Aspectos Físicos, Biológicos e Epidemiológicos e Tecnológicos do Envelhecimento (UCB).

deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado
Campos obrigatórios são marcados *